O Rio e as bicicletas

Umas das impressões mais fortes que tenho do Rio de Janeiro é como é estreita a relação dos cariocas com a saúde, com os esportes. Faça chuva ou faça sol, eles deixam suas casas para caminhar, correr na orla, andar de bicicleta, praticar slackline.

O Recife ainda precisa investir muito na nossa qualidade de vida e em estrutura para os ciclistas. Mas, enquanto aqui não fazem nada nesse sentido, no Rio, a questão é discutida e tirada do papel há alguns anos.

O Rio conta com um sistema de aluguel de bicicletas. Trata-se de uma tentativa da prefeitura de estimular as pedaladas como forma de transporte cotidiano. O sistema, batizado de Bike Rio, enfrentou alguns problemas com furtos, rede de estações limitadas e uso quase exclusivamente turístico e de lazer.

Recentemente, a gestão carioca aumentou o sistema. Em vez de 150 bicicletas,  hoje, são 600, distribuídas em 60 estações. São bicicletas na cor laranja, característica dos equipamentos, dos uniformes da prefeitura do Rio e do Itaú, banco que patrocina o projeto. A cor marcante  ajuda a evitar roubos e furtos.

Inspiração

A inspiração carioca veio de um sistema que opera em Paris, o Velib, que estimula viagens curtas, para conquistar adeptos no dia a dia. Em Paris, os 30 primeiros minutos são de graça – desde que o usuário tenha aderido a um dos planos de aluguel. No Rio, são oferecidos sem custo os primeiros 60 minutos de todas as viagens, desde que respeitados 15 minutos entre elas.

Na capital francesa, a partir do Velib, houve uma mudança de comportamento, com parisienses adquirindo mais bicicletas e interessando-se por fugir dos engarrafamentos em uma forma de transporte saudável. No Rio, o maior problema ainda são os caminhos para os ciclistas. As ciclovias estão limitadas à orla e a poucos bairros fora desse caminho. Mesmo na zona sul, bairros como Botafogo e Flamengo têm ruas estreitas, trânsito pesado, pouco espaço e quase nenhum respeito a quem tenta pedalar junto aos carros. A situação é a mesma no Recife, onde há pouquíssimas ciclovias.

Outros aluguéis no Rio

Além das bicicletas dos pontos fixos da prefeitura/Itaú, existem outras formas de aluguéis. Na Lagoa Rodrigo de Freitas, por exemplo, há diversos pontos onde o aluguel pode ser feito. Ótimo passeio para os que vão turistar na cidade. Tem várias opções (com ou sem cestinha, grande ou pequena…) e é uma boa forma de entrar no clima ‘geração saúde’ do Rio.

Aluguei a bicicleta por R$ 10/hora na Lagoa

Preço

O Bike Rio cobra R$ 5 pela diária e R$ 10 pela mensalidade. As viagens com mais de 60 minutos são tarifadas, com cobrança de R$ 5  por hora excedente. Na Lagoa, a hora custa R$ 10.

One thought on “O Rio e as bicicletas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s